10 de out de 2012

Just a Bitch 「1」


“Enquanto a maioria acha que nosso cérebro controla as ações, frequentemente é o coração que tem o maior trabalho.”
- Cap com cena de estupro


Suspirei passando a mão pelos meus cabelos.
Justin me salvou , me condenou,  não sei bem que termo usar, eu tinha 10 anos quando ele me salvou de Dean, as vezes preferia que ele não tivesse me salvado, sou obrigada a transar com homens que nem conheço,  tudo a mando dele, ele me salvou , eu devo minha vida a ele, mais para Justin um obrigado não é o suficiente.
ele me maltrata, me bate, me humilha. 
mais apesar de tudo, eu o amo, um amor doentio talvez, afinal quem ama quem só a maltrata? 
mesmo que a cada toque ele me machuque, eu fico feliz apenas por ter suas mãos em meu corpo...

levantei da cama e sai do quarto, enquanto caminhava pelo corredor ouvia piadinhas e cantadas sem graça dos caras que ficavam armados em cada canto da casa.
revirei os olhos e segui meu caminho.
passaram-se 8 anos desde que Justin me salvou, a convivência com ele me fez uma pessoa fria, calculista, faz 8 anos que não choro, sim é estranho e até inacreditável, acho que a última vez que chorei foi no dia que meus pais morreram talvez.
bati na porta do escritório de Justin 2 vezes e entrei , caminhei até o centro do escritório e parei, fingi uma tosse tirando a atenção dele do computador e trazendo-a pra mim.

Jus: pensei que não vinha mais.
Eu: -revirei os olhos- como se eu tivesse escolha.
Jus: é verdade -rir- tem um cara no quarto de hospedes, é muito importante que ele feche parceria comigo, então satisfaça-o do jeito que ele quiser.
Eu: mais eu não quero transar com um estranho Justin.
Jus: não existe um "mais", eu mando, você obedece, fim de jogo.
Eu: isso não é um jogo Justin.
Jus: não é mais, por que eu já ganhei.
Eu: eu não vou transar com ninguém.
Jus: eu mando em você.
Eu: você não manda na minha vida -gritei-
Jus: ela passou a ser minha no momento que a salvei.

gritou dando-me um tapa na cara, cai no chão com a mão no rosto, levantei o rosto o olhando indignada, era assim, brigávamos, e brigávamos, e no final? ele me batia e fim de papo, levantei do chão e sai do escritório dele indo rumo ao quarto do cara que eu tinha que satisfazer.


[ ... ]

estava deitada na cama, cansada era como me sentia, lutava para manter meus olhos abertos, a fome me atacou e eu levantei da cama, sai do quarto e desci as escadas, fui rumo a geladeira e não encontrei nada, abri o armário e peguei um pacote de fritas, senti ser abraça por trás.
"de novo não" pensei me virando, e a minha frente estava quem eu temia.
Tomas, a uma semana que ele me estuprava , não sou virgem mais devido a força que ele usa acaba me machucando, não posso contar a Justin, ele provavelmente diria que eu o provoquei.

Eu: me solta.
Tomas: mais a gente ainda nem começou -sorri malicioso- 

coloquei minhas mãos contra seu peito tentando empurrá-lo, o que foi claro não deu certo, ele era maior e mais forte que eu .

Eu: me solta Tomás ou eu vou gritar.
Tomas: grite a vontade, estão todos na piscina em reunião, ninguém vai te ouvir.

mordi o lábio em sinal de nervosismo. ele me virou bruscamente contra o armário e desceu a maldita minuscula saia que Justin me obrigava a usar.

Eu: me solta seu cacho...

não consegui terminar minha frase por que Tomas me penetrou e eu mordi o lábio pra não gritar, chorar eu não iria, suas entocadas eram fortes e rápidas fazendo meu corpo ir pra frente e pra trás batendo assim contra o armário e hora ou outra me machucando.

Eu: me solta -gritei-
Tomas: só quando eu estiver satisfeito.

deu-me uma entocada mais forte e apertou minha cintura com força, com certeza deixaria marcas.

Xx: larga ela

ouvi a voz conhecida de Justin, o que me fez relaxar na hora, Tomas saiu de perto de mim assustado e eu vi sangue escorrer por minhas pernas.

Jus: fecha os olhos, você não vai gostar de ver isso.

falou e eu fechei os olhos para então ouvir um barulho de tiro, abri os olhos e vi Tomas caído no chão com um tiro na cabeça.
Justin veio até mim e me pegou no colo saindo dali, parou no começo da escada apenas ao ouvir Chris chamar meu nome.

Chris: Carly, você tá bem?
Eu: -sorri- eu to bem, não se preocupe

falei beijando sua testa, ele beijou meu rosto e Justin continuou a subir as escadas.

Jus: que intimidade é essa? nunca vi você tratar ninguém bem.
Eu: com o Chris é diferente, ele é o único nessa casa que é carinhoso comigo.
Jus: já transou com ele?
Eu: já
Jus: e gostou?
Eu: onde você quer chegar?
Jus: apenas responda
Eu: gostei, na hora ele me tratou com carinho, me beijava e dizia que eu era linda, me tocava com se eu fosse feita de cristal e pudesse quebrar a qualquer momento.
Jus: nossa... ele é mesmo um gay

Justin me colocou em pé no banheiro e tirou minha roupa me colocando na banheira em seguida.

Eu: você nunca entenderia o que é tratar alguém bem.
Jus: eu aposto que posso ser melhor que o Christian.
Eu: eu acho que não.
Jus: vamos ver

falou aproximando-se de mim. 


Continua...

hey bebês, desculpem demorar pra postar o cap 1, fiquei sem tempo, I'm sorry, mais preciso da opinião de vocês em algo, o que acham de eu fazer um IB com  a SM(Treinada para matar) e a Alice(serial Killer)?digam o que acham da ideia.

Fiquei tão feliz por vocês terem gostado do final de proibido,
obrigado pelos comentários super lindos, obrigado mesmo princesas.